Bebê   Bebês fofinhos
Nomes de Bebê...
spacer
Menina
Menino

Em Destaque

A pequena Sereia

White Noise prejudica o cérebro do bebê?

O Patinho feio

Dicas para deixar a chupeta

Autismo Infantil

A história do Eu, do Tu e do Ele

Amamentação Cuidados a ter com os mamilos

   
spacer  

Gravidez

O Álcool e a gravidez não combinam!

copo de vinho

A ingestão de bebidas alcoólicas por uma mulher grávida pode trazer sérios problemas para a saúde e desenvolvimento do bebê.

O álcool atravessa facilmente a placenta, mantendo-se em elevada concentração no sangue do bebê, e por muito mais tempo, visto que este não consegue metabolizá-lo, ao contrário do que acontece com a mãe. Como o álcool produz o seu efeito tóxico a nível da divisão celular, o risco de malformações no feto é mais elevado nos primeiros meses de gestação (inicio da formação e desenvolvimento dos órgãos). 

Os problemas mais graves, resultantes da ingestão de álcool na gravidez, são o risco aumentado de aborto (cerca de 2 a 4 vezes superior, entre o 4º e 6º mês de gestação), o risco de ter um nado morto ou de ter um bebê que sofra da síndrome fetal alcoólica.

grávida com um copo de vinhoAinda não se conseguiu estabelecer a quantidade de álcool a partir da qual se torna potencialmente tóxica para o feto, mas sabe-se que quantidades muito pequenas de álcool, principalmente nos 3 primeiros meses de gravidez, são suficientes para prejudicá-lo.

Um estudo realizado pela Universidade de Detroit (Wayne State University) afirma que crianças filhas de mães que consumiram álcool durante a gravidez, mesmo que moderadamente, têm mais probabilidade de desenvolver comportamentos agressivos, problemas de atenção, de concentração e de memória. De acordo com estes investigadores, o simples acto de ingerir uma bebida alcoólica, em média, por semana, durante a gravidez, triplica o risco de essas crianças virem a desenvolver um comportamento delinquente. Existem ainda estudos que comprovam que a estas crianças se lhes associa impulsividade excessiva, hiperactividade, comportamentos sociais errados e maior propensão para consumo de substâncias ilícitas.grávida com um copo de vinho

Uma das consequências mais graves da ingestão excessiva de álcool na gravidez é, sem dúvida, a síndrome fetal alcoólica. Esta resulta de um conjunto de distúrbios, a nível mental e físico, que se manifestam na criança.

A síndrome fetal alcoólica caracteriza-se por:

  • Dismorfia na face (deformações faciais) típicas desta síndrome;
  • Atraso no crescimento, a nível intra-uterino e após o nascimento;
  • Alterações na visão e audição, podendo desenvolver surdez ou alterações da linguagem;
  • Lesões no sistema nervoso central das quais resulta atraso no desenvolvimento neuropsicomotor, dificuldades de aprendizagem, de atenção e memória, distúrbios de comportamento;
  • Outras anomalias a nível cardíaco, esquelético ou dos órgãos genitais.

Não encare a ingestão de álcool, principalmente durante a gravidez, de ânimo leve. Pois como se tem vindo a comprovar, consequências muito graves podem daí resultar. Como não estão determinados níveis seguros para a ingestão de álcool durante a gravidez, o correcto será a mãe não consumir bebidas alcoólicas durante este período. Não arrisque!


spacer


 

Veja também

Artigos em destaque

Sono do bebê – É fundamental criar uma rotina!

O Patinho feio

O desejo de ser mãe (e pai!)

White Noise prejudica o cérebro do bebê?

Otites nas crianças

A galinha dos ovos de ouro

A pequena Sereia

Pré-eclampsia – uma complicação grave

Stress nos filhos provocado pela ansiedade dos pais

Cuidados a ter com a mãe após o parto

As crianças e a televisão

Chupetas e tetinas: Látex ou silicone?

Autismo Infantil

A história do Eu, do Tu e do Ele

Amamentação – Cuidados a ter com os mamilos

Dicas para deixar a chupeta

A Família como base emocional e educacional da criança





 

 

 

 

 

Política de Privacidade